DENERVAÇÃO FACETÁRIA POR RADIOFREQUÊNCIA 

HOME  |  TRATAMENTOSDENERVAÇÃO FACETÁRIA POR RADIOFREQUÊNCIA  

Denervação Facetária Por Radiofrequência 

O tratamento com Radiofrequência na coluna vertebral tem como objetivo tratar as síndromes dolorosas causadas pela artrose da coluna vertebral e também para dores na articulação sacrilíaca. 

 

Assim, a denervação por radiofrequência é um procedimento percutâneo, realizado com o paciente levemente sedado e com anestesia local, totalmente seguro, usado para tratar as dores causadas pelas articulações facetárias ou pela dor da articulação sacroilíaca devido a alterações degenerativas. 

radiofrequencia_dr_felipe_figueiredo_ortopedista_rio_de_janeiro_1.jpg

Neste procedimento, uma lesão de calor é criada em certos nervos sensitivos com o objetivo de interromper os sinais de dor para o cérebro, eliminando a dor. 

radiofrequencia_dr_felipe_figueiredo_ortopedista_rio_de_janeiro_2.jpg
Ablação por radiofrequência 

 

Os termos ablação por radiofrequência e neurotomia de radiofrequência são usados de forma intercambiável. Ambos os termos se referem a um procedimento que diminui a funcionalidade desse nervo usando energia de radiofrequência.  

 

Existem dois principais tipos de ablação por radiofrequência:  

1) Uma neurotomia de ramo medial (ablação) afeta os nervos que transportam dor das articulações facetárias.  

 

2) Uma neurotomia de ramo lateral (ablação) afeta os nervos que apresentam dor nas articulações sacroilíacas.  

 

Esses nervos de ramificação medial ou lateral não controlam nenhum músculo ou sensação nos braços ou pernas, de modo que uma lesão por calor não apresenta risco de afetar negativamente essas áreas.  

 

Os nervos da ramificação medial controlam os músculos pequenos no pescoço e no meio ou nas costas baixas, mas a neuromodulação desses nervos não se mostrou prejudicial, no caso da denervação cervical ou dorsal Ramo Medial / Bloco de nervo lateral do ramo. 

 

Antes do procedimento de neuromodulação por radiofrequência, um bloqueio lateral ou bloqueio sensitivo do nervo medial deve ser realizado para provar que a dor do paciente está sendo transmitida por esses nervos.  

 

O ramo medial ou o bloqueio do ramo lateral atua como uma corrida de teste antes do procedimento da neuromodulação. Além disso, uma injeção da articulação sacroilíaca, injeção da faceta articular ou outros métodos de tratamento geralmente já foram tentados. 

 

Taxas de sucesso de ablação por radiofrequência 

As taxas de sucesso variam, mas tipicamente cerca de 60% a 80% dos pacientes submetidos a este procedimento para a dor lombar sentem alívio significativo da dor por 15 meses a dois anos. Dos restantes pacientes submetidos a radiofrequência, cerca de 60% receberão algum alívio da dor por um período mais curto que 15 meses. 

No geral, as taxas de sucesso são maiores nos pacientes que são submetidos aos bloqueios sensitivos positivos.  

Como regra geral, se efetiva, a ablação geralmente proporcionará alívio da dor com pelo menos 9 a 15 meses e, às vezes, por mais tempo. Após este período de tempo, no entanto, o nervo se regenerará e a dor pode retornar, sendo necessário uma nova aplicação de RF.

Procedimento de denervação por radiofrequência

A ablação por radiofrequência é um procedimento minimamente invasivo que geralmente é realizado com anestesia local e sedação leve. Tal como acontece com muitas injeções da coluna vertebral, a radiofrequência é melhor realizada sob fluoroscopia (Raio x ao vivo – online) para orientações. 

3_radiofrequencia_dr_felipe_figueiredo_ortopedista_rio_de_janeiro_1.jpg

O procedimento de neurotomia ou ablação inclui os seguintes passos: 

  • Após a anestesia com relaxamento (sedação), o paciente encontra-se numa mesa de procedimento e é realizada anestesia na pele.  

  • O médico usa orientação de raios X (fluoroscopia) para direcionar uma cânula especial (radiofrequência) ao lado dos nervos do ramo médio ou lateral.  

  • Uma pequena quantidade de corrente elétrica é cuidadosamente passada através da agulha para assegurar que ele está ao lado do nervo alvo e a uma distância segura de outros nervos. 

  • Esta corrente deve recriar muito brevemente a dor habitual e causar uma contração muscular no pescoço ou nas costas. 

  • As ondas de radiofreqüência são introduzidas para a ponta da agulha e uma onda calor é criada no nervo para interromper a habilidade do nervo de enviar sinais de dor, realizando assim a neuromodulação.  

  • Este processo é repetido para outros nervos. 

4_radiofrequencia_dr_felipe_figueiredo_ortopedista_rio_de_janeiro.jpg
5_radiofrequencia_dr_felipe_figueiredo_ortopedista_rio_de_janeiro_1.jpg

Como é realizado o acompanhamento dos pacientes submetidos ao protocolo de tratamento de Radiofrequência

 

Todo o procedimento de ablação por radiofrequência geralmente leva de 30 a 60 minutos (dependendo da quantidade e das regiões a serem tratadas) e os pacientes retornam para casa no mesmo dia.  

No dia do procedimento, os pacientes são aconselhados a evitar dirigir e a evitar atividade física extenuante. Os pacientes são aconselhados a continuar a tomar quaisquer medicamentos normais, com exceção dos medicamentos utilizados para anticoagulação.  

A equipe de anestesia entra em contato antes com o paciente para tirar as dúvidas e se colocar à disposição para acompanhamento do mesmo. 

Referências bibliográficas: 

Holtz, S.C. and Sehgal, N. What is the correlation between facet joint radiofrequency outcome and response to comparative medial branch blocks?. Pain Physician. 2016; 19: 163–172 
PubMed | Google Scholar 

Falco, F.J., Manchikanti, L., Datta, S. et al. Systematic review of the therapeutic effectiveness of facet joint interventions: an update. Pain Physician. 2012; 15: E839–E868 
PubMed | Google Scholar 

Meucci, R.D., Fassa, A.G., and Xavier, N.M. Prevalence of chronic low back pain: systematic review. Rev Saude Publica. 2015; 49: 1 
Crossref | PubMed| Scopus (35) | Google Scholar 

Rathmel, J.P. Atlas of image-guided intervention in regional anesthesia and pain medicine. Lippincott Williams & Wilkins, Philadelphia; 2006: 65–92 
Google Scholar 

Badgley, C.E. The articular facets in relation to low back pain and sciatic radiation. J Bone Joint Surg. 1941; 23: 481 
Google Scholar 

Bykowski, J.L. and Wong, W.H. Role of facet joints in spine pain and image-guided treatment: a review. AJNR AM J Neuroradiol. 2012; 33: 1419–1426 
Crossref | PubMed | Scopus (12) | Google Scholar 

Barnesley, L., Lord, S., and Bogduck, N. Comparative local anesthetic blocks in the diagnosis of cervical zygapophysial joint pain. Pain. 1993; 55: 99–106 
Abstract | Full Text PDF | PubMed | Scopus (229) | Google Scholar 

Barnesley, L., Lord, S., Wallis, B. et al. False-positive rate of cervical zygapophysial joint blocks. Clin J Pain. 1993;9: 124–130 
Crossref | PubMed | Scopus (160) | Google Scholar 

Kaplan, M., Dreyfuss, P., Halbrook, B. et al. The ability of lumbar medial branch blocks to anesthetize the zygapophysial joint. A physiologic challenge. Spine (Phila Pa 1976). 1998; 23: 1847–1852 
Crossref | PubMed | Scopus (162) | Google Scholar 

Manchikanti, L., Kaye, A., Boswell, M.V. et al. A systematic review and best evidence synthesis of effectiveness of therapeutic facet joint interventions in managing chronic spinal pain. Pain Physician. 2015; 18: E535–E582 
PubMed | Google Scholar 

Derby, R., Melnik, I., Lee, J.E. et al. Correlation of lumbar medial branch neurotomy results with diagnostic medial branch block cutoff values to optimize therapeutic outcome. Pain Med. 2012; 13: 1533–1546 
Crossref | PubMed | Scopus (12) | Google Scholar 

Cohen, S.P., Strassels, S.A., Kurihara, C. et al. Establishing an optimal “cutoff” threshold for diagnostic lumbar facet blocks: a prospective correlational study. Clin J Pain. 2013; 29: 382–391 
Crossref | PubMed | Scopus (14) | Google Scholar 

Cohen, S.P., Stojanovic, M.P., Crooks, M. et al. Lumbar zygapophysial (facet) joint radiofrequency denervation success as a function of pain relief during diagnostic medial branch blocks: a multicenter analysis. Spine J. 2008;8: 498–504 
Abstract | Full Text | Full Text PDF | PubMed | Scopus (49) | Google Scholar 

Smith, H.P., McWhorter, J.M., and Challa, V.R. Radiofrequency neurolysis in a clinical model. Neuropathological correlation. J Neurosurg. 1981; 55: 246–253 
Crossref | PubMed | Scopus (125) | Google Scholar 

Lau, P., Mercer, S., Govind, J. et al. The surgical anatomy of lumbar medial branch neurotomy (facet degeneration). Pain Med. 2004; 5: 289–298 
Crossref | PubMed | Scopus (77) | Google Scholar 

Schofferman, J. and Kine, G. Effectiveness of repeated radiofrequency lumbar neurotomy for lumbar facet pain. Spine. 2004; 29: 2471–2473 
Crossref | PubMed | Scopus (86) | Google Scholar 

Engel, A., Rappard, G., King, W. et al. The effectiveness and risks of fluoroscopically guided cervical medial branch thermal radiofrequency neurotomy: a systematic review with comprehensive analysis of the published data. Pain Med. 2016; 17: 658–669 
PubMed | Google Scholar 

Mazin, D.A. and Sullivan, J.P. Lumbar and sacral radiofrequency neurotomy. ([review])Phys Med Rehabil Clin N Am. 2010; 21: 843–850 
Abstract | Full Text | Full Text PDF | PubMed | Scopus (4) | Google Scholar 

Cosman, E.R. Jr., Dolensky, J.R., and Hoffman, R.A. Factors that affect radiofrequency heat lesion size. Pain Med. 2014; 15: 2020–2036 
Crossref | PubMed | Scopus (25) | Google Scholar 

Windsor, R.E. and Falco, F.J.E. Clinical orientation to spinal anatomy. O2 Communications Inc, Atlanta (GA); 2003: 85–88 
Google Scholar 

Youseff, P., Loukas, M., Chapman, J.R. et al. Comprehensive anatomical and immunohistochemical review of the innervation of the human spine and joints with application to an improved understanding of back pain. Childs Nerv Syst. 2016; 32: 243–251 
Crossref | PubMed | Scopus (3) | Google Scholar 

McLain, R.F. Mechanoreceptor endings in human cervical facet joints. Spine. 1994; 19: 495–501 
Crossref | PubMed | Scopus (171) | Google Scholar 

Bland, J. Disorders of the cervical spine. WB Saunders Co, Philadelphia; 1987 
Google Scholar 

Bogduk, N. The clinical anatomy of the cervical dorsal rami. Spine. 1982; 7: 319–329 
Crossref | PubMed | Scopus (254) | Google Scholar 

Hamer, J. and Purath, T. Response of cervicogenic headache and occipital neuralgia to radiofrequency ablation of the C2 dorsal root ganglion and/or third occipital nerve. Headache. 2014; 54: 500–510 
Crossref | PubMed | Scopus (11) | Google Scholar 

Biondi, D. and Bajwa, Z. Cervicogenic headaches. UpToDate.com: Wolters Kluwer Health, ; 2013 
Google Scholar 

Govind, J., King, W., Bailey, B. et al. Radiofrequency neurotomy for the treatment of third occipital headache. J Neurol Neurosurg Psychiatry. 2003; 74: 88–93 
Crossref | PubMed | Scopus (110) | Google Scholar 

Wahezi, S.E., Silva, K., Shaparin, N. et al. Currently recommended TON injectate volumes concomitantly block the GON: clinical implications for managing cervicogenic headache. Pain Physician. 2016; 19: E1079–E1086 
PubMed | Google Scholar 

Waldman, S.D. Atlas of interventional pain management. Elsevier Saunders, Philadelphia; 2015: 157–177 (473–88) 
Google Scholar 

Gazelka, H.M., Knievel, S., Mauck, W.D. et al. Incidence of neuropathic pain after radiofrequency denervation of the third occipital nerve. J Pain Res. 2014; 7: 195–198 
Crossref | PubMed | Scopus (10) | Google Scholar 

Basset, K., Sibley, L.M., Anton, H. et al. Percutaneous radiofrequency neurotomy treatment of chronic cervical pain following whiplash injury: reviewing evidence and needs. British Columbia Office of Health Technology Assessment, Vancouver; 2001: 40–47 
Google Scholar 

Furman, M.B., Lee, T.S., and Berkwits, L. Atlas of image-guided spinal procedures. Elsevier Saunders, Philadelphia; 2013: 141–148 (279–94) 
Google Scholar 

Kozera, K. and Ciszek, B. Posterior branches of lumbar spinal nerves-part I: anatomy and functional importance. Ortop Traumatol Rehabil. 2016; 18: 1–10 
Crossref | PubMed | Scopus (3) | Google Scholar 

Bodguk, N., Wilson, A.S., and Tynan, W. The human lumbar dorsal rami. J Anat. 1982; 134: 383–397 
PubMed | Google Scholar 

Shuang, F., Hou, S.X., Zhu, J.L. et al. Clinical anatomy and measurement of the medial branch of the spinal dorsal ramus. Medicine. 2015; 94: 1–5 
Crossref | Scopus (1) | Google Scholar 

Lakemeier, S., Lind, M., Schulz, W. et al. A comparison of intra-articular lumbar facet joint steroid injections and lumbar facet joint radiofrequency denervation in the treatment of low back pain: a randomized, controlled, double-blind trial. Anesth Analg. 2013; 117: 228–235 
Crossref | PubMed | Scopus (32) | Google Scholar 

Kornick, C., Kramarich, S.S., Lamer, T.J. et al. Complications of lumbar facet radiofrequency denervation. Spine. 2004; 29: 1352–1354 
Crossref | PubMed | Scopus (106) | Google Scholar 

Nath, S., Nath, C.S., and Pettersson, K. Percutaneous lumbar zygapophysial(facet) joint neurotomy using radiofrequency current, in the management of chronic low back pain. Spine. 2008; 33: 1291–1297 
Crossref | PubMed | Scopus (185) | Google Scholar 

Para saber qual o melhor tratamento indicado para sua patologia, o paciente deve sempre procurar um médico especialista.